SPINFIT W1

>>Caso você seja novo aqui, recomendo que leia a página “Apresentação”<<

INTRODUÇÃO:

A SPINFIT é uma empresa Taiwanesa fundada no ano de 2009 e que fabrica especialmente Eartips (“ponteiras”/”borrachinhas” como chamamos aqui no Brasil). A empresa é hoje uma das maiores fabricantes nesse segmento, todo mundo que entra no hobby dos fones intra-auriculares logo descobre as famosas SpinFit.

Eu já fiz uma primeira avaliação de quase todos os modelos de ponteiras da marca, quem não viu ainda, segue o link: SPINFIT CP100+, CP100, CP145, CP155, CP240, CP360, CP500, CP800, CP1025. Agora em 2022 a empresa lançou um novo modelo de ponteira, que é a chamada SPINFIT W1. Eu vou tentar fazer tipo um comparativo entre a W1 e alguns modelos que eu achei mais relevante.

A SPINFIT W1 custa $19.99 dólares (USD) na loja oficial da marca na Amazon. A caixa das ponteiras W1 vem com 3 tamanhos diferentes inclusos: Small (Pequeno), Medium (Médio), e Large (Grande).

Link da SPINFIT:

https://spinfit-eartip.com/?lang=en

https://www.amazon.com/spinfit


ESPECIFICAÇÕES:


– Tubo construído com camada dupla:

  • A parte externa do tubo mais macia mantém a experiência de uso confortável.
  • A parte interna do tubo mais dura torna a W1 mais estável na hora de instalar as ponteiras nos fones.

– Design do tubo em forma de W (ondas):

  • Reduz a pressão externa.
  • Melhora a função de isolamento.

– Modelo recomendado para fones híbridos (vários drivers) ou com grandes Drivers Dinâmicos.

– A W1 encaixa perfeitamente em fones de ouvido grandes e pesados devido à estabilidade que o design oferece.

– Compatível com os mesmos fones que recebem a CP145.

**Cuidado ao remover as ponteiras dos ouvidos, pois elas têm aderência extra**


ASPECTOS FÍSICOS & SONOROS:

Antes de qualquer coisa, deixar o lembrete de que os relatos compartilhados aqui no texto fazem parte das minhas experiências com os produtos, todo mundo já tá calejado de saber que ponteiras alteram o som e que elas podem se comportar de forma diferente em cada ouvido, com relação ao encaixe, conforto, e etc. Então meus amigos, eu sempre indico que vocês busquem ter a experiência de vocês com os produtos, review é apenas uma base pra você pegar alguma informação, ainda que sejam informações – em parte – de forma subjetiva.

Para a parte dos aspectos sonoros eu utilizei o xDuoo Link2 Bal com o FiiO FH3 (que já é um fone que eu tenho conhecimento da sonoridade).


SPINFIT W1


Aí estão as novas ponteiras W1 da SpinFit. Os principais pontos que posso levantar desse novo modelo são: o silicone utilizado nessa ponteira faz dela a que cria mais “grip” (agarro) em relação às outras da marca; o furo de saída no bocal é um pouco maior que as demais ponteiras da marca (ainda que não chega a ser um modelo “wide bore”); o tamanho também já é um pouco maior, se inclina em direção ao mesmo tamanho das CP145.

Se vocês viram lá nas especificações, a empresa aplicou um sistema de dupla camada no tubo da ponteira. A camada externa mais macia pra melhorar o conforto do usuário, e a camada interna mais rígida pra ajudar no momento da instalação das ponteiras.

Pra mim, as W1 seriam meio que um modelo entre a CP100/CP100+ e a CP145, ou seja, elas entram como uma “junção” entre o tamanho da CP145 e o “grip” da CP100/CP100+ (ainda que com pequenas diferenças entre cada modelo).

Em termos práticos, a W1 consegue conferir uma estabilidade muito boa no ouvido, além de aumentar o isolamento. Eu testei elas com o KBEAR Little Q, um fone estilo “bullet” em que as ponteiras fazem basicamente todo o serviço de contato com o ouvido, e elas me proporcionaram exatamente o que citei no começo do parágrafo. Então, eu diria que as W1 surgem como uma boa solução pra quem busca aumentar a fixação do fone no canal auditivo e aumentar o isolamento passivo.

KBEAR Little Q com SpinFit W1 (tamanho M)


A empresa indica que a W1 é ideal para fones com muitos drivers ou fones com grandes drivers dinâmicos, mas sinceramente pra mim ela serve pra qualquer fone, o exemplo disso foi citado acima, o KBEAR Little Q é um fone pequeno e com DD pequeno, e eu achei que ficou ótima a sintonia das eartips com esse estilo de fone.

A parte de comercialização da W1 tem uma questão a ser analisada. O pacote contém os 3 tamanhos (P/M/G), e de certa forma isso é ótimo pra quem tá entrando no hobby, porque com os 3 tamanhos a pessoa pode decidir qual fica melhor. Eu acredito que todo mundo quando foi comprar uma SpinFit pela primeira vez se questionou qual o tamanho ideal para comprar, já que os modelos eram sempre vendidos em embalagens individuais.

Por outro lado, quem já teve mais contato com as SpinFit pode achar isso ruim, pois comprar um pacote com 3 acaba encarecendo a experiência, você tá pagando por 2 pares a mais que talvez não vá usar. A pessoa que já descobriu o tamanho “ideal” pode preferir adquirir apenas o par do tamanho que lhe convém, então, o interessante aqui seria mesmo a empresa fazer dois tipos de embalagens: um pacote com os 3 tamanhos, e pacotes individuais de cada tamanho.

FiiO FH3 com SpinFit W1 (tamanho M)



W1 e CP100+


Como disse no meu primeiro contato com a CP100+ (Plus), pra mim ela é basicamente idêntica à CP100 (última versão lançada), talvez a Plus utilize um silicone que seja infimamente mais macio, só que na prática não teve muita diferença (pra mim). Então, a CP100+ foi a escolhida aqui, mas eu diria pra você que tem a CP100 que pode entender a Plus como se fosse a CP100 normal nesse comparativo.

Dessa vez eu coloquei umas fotos que ajudam a comparar melhor as ponteiras, ainda que não 100%. Por exemplo, o domo da W1 é maior que o domo da CP100+ em 0.2mm, isso aí só vai olhando as especificações. As principais diferenças entre ambas são: o diâmetro do tubo da W1 é maior que o da CP100+; a espessura do tubo da CP100+ é maior que a da W1; a abertura do bocal da W1 é maior que a CP100+; o “grip” (aderência) da W1 eu também achei um pouco maior que a da CP100+ (pouca coisa, porém eu achei).

No ouvido as duas ficaram muito parecidas, a W1 com uma discreta inserção a mais no meu canal auditivo. Em isolamento eu achei que a W1 também conseguiu uma pequena vantagem. Algo que pude notar é que a W1 deixou o corpo de alguns fones um pouco “pra fora” do meu ouvido (uma diferença minúscula). Já a CP100+, os fones ficaram mais “escondidos” (mais pra dentro).

LETSHUOER D13 (W1 e CP100+)


Em termos sonoros, a percepção que tive foi que a W1 ampliou de forma bem pequena todas as frequências ao mesmo tempo, então foi como se o som ficasse mais aberto como um todo. Nos graves, a W1 conferiu mais vigor e mais impacto em sub-graves e principalmente em médio-graves, onde a percepção foi bem nítida. Nos médios, a W1 também apresentou um pequeno destaque a mais, embora tenha sido a região que mais ficou parecida entre as eartips. Nos agudos, a W1 deu um micro realce a mais, tipo, pratos de condução (ride) você consegue perceber um leve brilho a mais no som do instrumento. Então, a CP100+ ficou como se fosse uma ponteira um pouco mais “escura” em relação a W1. Logicamente que isso em comparação entre as duas eartips, não quer dizer que você vai colocar a CP100+ num fone Bright (frio/brilhante) e ele vai se tornar um fone escuro.



W1 e CP145


De cara eu já vou dizendo que a CP145 é a minha SpinFit preferida, e também gosto dela perante outros modelos de eartips que tem no mercado. A CP145 já conseguiu ajudar no encaixe do Aune Jasper, e também aumentar os graves do Tin Hifi P1 MAX (pra ficar no meu gosto), dentre outros acontecimentos. Pra mim, usar IEMs tem que ser de uma forma muito confortável, às vezes o conforto é até mais importante do que o som, porque não adianta ter um som maravilhoso e com 5min você já não aguenta mais usar o fone por causa do desconforto, não é verdade?

Então, a CP145 pra mim é uma das ponteiras mais confortáveis que já testei até hoje, o material utilizado nela tem uma textura muito macia, eu realmente curto a suavidade que o silicone da CP145 me traz. A W1 também é uma ponteira muito confortável, só que pra mim ela não ganha nesse quesito pra a CP145.

LETSHUOER D13 (W1 e CP145)


Mas nem tudo são flores com a CP145, exatamente por ela ter uma maciez maior na sua construção, há momentos que ela pode simplesmente perder a posição de encaixe. Por exemplo, suor, muita cera, ou mesmo se o fone não tiver um encaixe legal, a CP145 pode escorregar/deslizar do canal auditivo. Já com a W1 o risco desse fator ocorrer é muito menor, pois ela consegue muito mais aderência no ouvido. Nesse quesito a W1 se aproxima mais da CP100/CP100+.

Outro benefício da W1 em relação a CP145 é que a W1 fixa bem nos bocais dos fones, já a CP145 pode escapar do bocal se você estiver usando ela em um fone com o bocal mais fino. Ambas são recomendadas para bocais com 5-6mm de diâmetro, mas é possível utilizá-las em fones com bocais menores, embora como citei acima, a CP145 possa escapar do bocal mais facilmente do que a W1.

LETSHUOER D13 (W1 e CP145)


Em termos sonoros, eu troquei as eartips exaustivamente até buscar uma diferença entre elas, porém eu diria que o som permaneceu de forma muito semelhante entre ambas. Pra não dizer que foi tudo 100% igual, talvez eu tenha escutado um pouco mais de destaque na região dos médios com a W1, mas coisa assim ínfima ínfima, o que até agora eu não sei se rolou um efeito placebo. A região dos graves ficou com mesmo desempenho, e a região dos agudos eu também não pude notar diferença. O que eu achei estranho é que a W1 tem um bocal um pouco mais aberto em comparação com a CP145, na teoria eu esperei que houvesse mais diferença, mas na prática as coisas meio que ficaram bem parecidas (na minha opinião).



COMPARATIVO: SPINFIT W1 e AZLA XELASTEC


>>ATENÇÃO: Eu fiz toda análise usando as ponteiras no tamanho M, entretanto, as Xelastec acabaram saindo na foto as de tamanho ML (M/G). Sem perceber eu tirei as fotos com um tamanho maior e só vi o erro já quase finalizando a review. Eu penso que só o tamanho é que vai mudar aí na foto, e ainda assim, muito pouco, então, perdoem esse deslize.<<

Primeiro, lembrar que não existe melhor ou pior aqui, e sim tipos diferentes de abordagens, eu posso simplesmente usar uma SpinFit em um determinado fone, e usar a Xelastec em outro. Essa avaliação não é um guia de compra, e sim minhas experiências como hobbista com esses dois produtos. No final das contas eu indico que – se possível – vocês tenham as experiências de vocês. Obviamente eu posso ter o meu gosto particular por uma ponteira mais do que a outra (já foi dito a qual ao longo do texto).

A AZLA Xelastec é um ponteira que ficou bem popular no hobby, então eu pensei em usar ela pra fazer um breve comparativo com a SpinFit W1. Oficialmente a Xelastec pode ser adquirida de duas formas: o pacote com 3 tamanhos ($28 dólares USD) ou apenas 1 tamanho em embalagem individual ($19 dólares USD). A W1 até o momento só pode ser encontrada o pacote com 3 tamanhos ($19,99 dólares USD). A Xelastec você encontra com mais variedade de tamanhos: PP, P, P/M, M, M/G, G. E o pacote com 3 tamanhos nas seguintes configurações: “PP, P, P/M”; “P/M, M, M/G”; “M, M/G, G”. A SpinFit W1 vem nos tamanhos: P, M, G (até o momento).

As principais diferenças entre elas são:

-A W1 possui uma inserção mais profunda, mais conforto, menos “grip” (aderência) [em comparação com a Xelastec], mais maleável, silicone mais macio, o tubo é mais comprido, a espessura do tubo é mais fina. Eu diria que a W1 seria uma boa alternativa pra quem testou a Xelastec e não se deu bem, eu por exemplo achei que as Xelastec ficaram muito grandes pra mim.

-A Xelastec é maior, e geralmente é preciso pegar um tamanho abaixo do que usa habitualmente, mais “pegajosa”, suja com muita facilidade, a inserção é média, mais “grip” (aderência), mais isolamento, o tubo é mais curto, o domo é mais largo, a espessura do tubo é mais grossa, o silicone é mais “duro”.

LETSHUOER D13 (W1 tamanho M e XELASTEC tamanho ML)


Em termos sonoros, na W1 os médios e agudos receberam um discretíssimo incremento a mais do que na Xelastec, por exemplo, eu pude perceber um pouco mais de clareza e abertura com a W1 em sons como chimbais, caixas de bateria, e vozes. Eu até achei que seria o contrário pela Xelastec ter um tubo mais raso, e ai soaria mais parecido como uma eartip “wide bore” (bocal aberto), só que na prática foi a W1 que apresentou essas características. Nos graves eu achei que a Xelastec levou um pouquinho – diferença ínfima – de vantagem em quantidade em relação a W1, porém os graves acabaram soando como se estivessem um pouco mais “embolados” do que os graves que a W1 apresentou, então a Xelastec acabou passando uma sensação de “perda” de definição. Acredito que essas foram as principais diferenças que eu pude perceber. A W1 apresentou um som um pouco mais “vivo”, enquanto que a Xelastec ficou com um som um pouco mais “escuro” (em comparação de uma eartip com a outra).




Se você chegou até aqui, muitíssimo obrigado!

Considere seguir o Facebook e o Instagram do site para receber todas as novidades em primeira mão!

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑